O básico que você precisa saber para ficar por dentro do assunto mais falado ultimamente: criptomoedas

18 jan O básico que você precisa saber para ficar por dentro do assunto mais falado ultimamente: criptomoedas

O termo criptomoeda

Primeiramente, vamos entender o significado da palavra criptomoeda. O termo vem da palavra criptografia que é um conjunto de técnicas que torna informações ilegíveis, podendo ser reconhecidas somente por quem está fazendo a transação, garantindo assim a segurança das moedas na internet.

Diferente do dinheiro vivo com a foto do rosto de alguém ou de um animal de fauna como o nosso, as criptomoedas são totalmente digitais e não são emitidas por nenhum governo ou banco. O seu valor é determinado pelo indivíduos no mercado.

Como são feitas, ou melhor, mineradas

Elas são criadas e gerenciadas pelos próprios usuários, com um modelo descentralizado, ou seja, sem a presença de uma unidade centralizadora, como por exemplo, um banco. Para fazer esse modelo, estocando as transações e decidindo quem é dono de cada moeda, existem os mineradores, usuários que oferecem o processamento de seus computadores através de programações e software por horas e até dias para gerenciar as transações e especulações das criptomoedas. Em troca eles recebem o tipo de moeda que estão gerenciando.

Aonde ficam armazenadas e quanto valem?

As criptomoedas geradas através de mineração ou de outros meios como venda de um produto e recebimento da quantia em criptomoeda, ficam guardadas nas “carteiras virtuais” que são sites seguros para você se cadastrar e armazenar suas moedas. Aqui vão alguns sites mas é sempre bom pedir indicação de amigos também:

https://openledger.info/

https://blockchain.info/wallet/#/

https://www.xapo.com/

Em termos de valores, elas seguem as leis de oferta e procura, a valorização e desvalorização delas muda muito rapidamente. Vale dizer que elas já estão sendo aceitas como meios de pagamento em alguns países, até mesmo aqui no Brasil.

Tipos de moedas

As moedas que estão se destacando no mercado são as altcoins e a bitcoin.

Altcoins:

Dash – é totalmente focada em privacidade. Faz a utilização de masternodes que nada mais é do que um servidor especial confiável e descentralizado que fornece transações anonimamente. Essas transações são instantâneas e seguras sem nenhum tipo de intermediação.

Ether (ETH) – é a segunda criptomoeda mais dominante no mercado. Ela é usada na plataforma Ethereum que tem um extremo potencial de crescimento e é uma plataforma descentralizada que faz uso do blockchain e faz o armazenamento de tudo que pode ser programado como domínios de internet, dados, crowdfunding e contratos como se fosse um computador global. Os desenvolvedores dessa plataforma acreditam que o Ethereum ainda poderá ser utilizado em: transferências financeiras, títulos de propriedade, dados de histórico de saúde, votos, impostos, campanhas de arrecadação de dinheiro, etc.

IOTA – é uma criptomoeda totalmente diferente das outras, é otimizada pela IOT (Internet of Thing). Possui uma arquitetura descentralizada, isenção de taxas e transferências instantâneas possibilitando a realização de microtransações, são resistentes a ataques por computação quântica e tem uma estrutura modelar e leve. Diferente das outras, ela não usa o blockchain e sim a Tangle. O processo de desenvolvimento da moeda promete superar os desafios da taxa de mineração e uma maior velocidade nas transações aumentando sua eficiência.

Bitcoin – é a mais conhecida dentre as moedas digitais. Ela está sofrendo atualmente com alguns problemas que precisam ser abordados, como escalabilidade e privacidade.

Agora já deu para dar uma clareada sobre as criptomoedas, não é mesmo? Fiquem atentos ao nosso blog para mais notícias.

Posts relacionados

Pin It on Pinterest

Share This